Yoga

Yoga Sutras – Introdução

PATANJALI YOGA SUTRA (O SISTEMA RAJA YOGA OU ASHTANGA YOGA)

(Análise resumida)

YSintro

O yoga é uma das 6 filosofias da Índia (as seis filosofias são: Purva Mimansa, fundado por Jaimini, Uttara Mimansa ou Advaita Vedanta, fundado por Vyasa, Sankhya, fundado por Kapila, Yoga por Patanjali, Vaiseshika por Kanada e Nyaya de Gautama rishi).

Existem várias obras que um praticante sério de Yoga deve conhecer. Elas são o sumo, o néctar da filosofia do yoga e por isso devem ser estudadas. Essas “escrituras” são o Bhagavad Gita, Patanjali Yoga sutra, Hatha yoga pradipika, Vasistha samhita, Gheranda Samhita, etc). O Yoga não são os livros, mas sim a pratica. Uma grama de pratica equivale a milhares de gramas de teoria. Aliás, a definição mais aceite de Yoga é que este é um método prático que conduz ao Samadhi. Se é um método, tem uma metodologia ou um conjunto de técnicas que existem há milhares de anos e não são criadas por esta ou por aquela escola. Não vamos inventar a roda pois esta já foi inventada há muito tempo atrás. Quando se fala de Yoga está implícito o sistema de Patanjali com 8 disciplinas ( asht= oito, anga= camadas), e não apenas o hatha yoga, o bhakti yoga, karma yoga, jnana yoga ou outros tipos de yoga. Se bem que as técnicas não variem ao longo de milhares de anos, a interpretação e aplicação das mesmas pode variar conforme o tempo, local e cultura do praticante. A palavra Yoga significa união. Diz-se que o yoga deve ser adaptado em função dos tempos em que vivemos e que o yoga está em permanente transformação; essa é uma verdade parcial, pois adaptação não significa modificação. Um exemplo muito simples: Brahmacharya (castidade) ao longo dos séculos significou abstinência sexual, mas será que um praticante ocidental de yoga hoje pode ser casado? Se sim, então Brahmacharya deve ser interpretado extensivamente como fidelidade conjugal e não apenas a interpretação literal de castidade. Brahmacharya é também uma das fases de vida do jovem noviço (na Índia até aos 25 anos). O ser humano é que está em transformação, em sublimação eterna na busca do Samadhi. O yoga permanece igual ao que sempre foi, independente da vontade deste ou daquele. Por muito que bradem aos céus a favor ou contra, o Yoga é aquilo que é.

Se o Yoga é um método essencialmente pratico, não é teórico. Todo o conhecimento teórico, filosófico ou intelectual, não passa disso mesmo: teoria. Para chegar à sabedoria, tem que se praticar o conhecimento adquirido. Por isso quando me dizem que conhecem o yoga pois já leram uns livros e viram alguns programas na televisão, eu digo que isso não é conhecer o yoga. Quando se fala muito, se emitem opiniões sem praticar isso certamente não é o que Patanjali e outros grandes mestres nos quiseram transmitir. Quando se pratica uma aula de Yogasanas nos ginásios, isso também não é yoga, é uma aula parcial onde se utiliza uma das técnicas do yoga, as posturas psico – físicas (Asanas). Quem nunca praticou recolhimento dos sentidos externos, concentração e meditação nunca chegou ao âmago, ao yoga interno. No entanto, praticar o yoga externo é melhor que nada praticar. Falando em sentidos externos, será que temos sentidos internos? Se sim, quais serão?

…Um método essencialmente prático que nos conduz ao Samadhi… O que é o samadhi ou o estado superconsciente? O que é a iluminação? Suponhamos que existem vários rios que vão desaguar ao mesmo oceano. Algumas gotas de água dizem que o caminho do rio A é mais rápido e melhor do que o rio B. As que seguem o caminho do rio C dizem que é mais seguro e perdem tempo esgrimindo argumentos que aquele será o melhor caminho. Ao navegar no rio por vezes temos um pálido reflexo do Oceano e por vezes até confundimos a realidade do oceano com a do rio, ás vezes imaginamos como será a Realidade. Se eu sou uma gota de água e chego ao Oceano, onde está essa gota de agua original? Eu sei que sou uma gota de água, mas misturado em milhões de outras gotas, onde estou eu agora? Sei que partilho da mesma substancia- agua- mas o sentimento de separação desaparece pois agora há uma fusão de todas as gotas de agua….no entanto eu sei que estou lá, com milhares de gotas irmãs. Vemos portanto que a experiência do Samadhi é diferente para cada Ser, há vários níveis e tipos, e qualquer tentativa para racionalizarmos ou explicarmos por palavras o que é o Samadhi, vale o que vale e estamos limitados pelo nosso tecto cultural ou intelectual. No entanto, felizmente, há vários sinais que nos permitem afirmar, com segurança, que alguém atingiu o Samadhi.

Passamos agora para o cerne do tema, uma breve análise dos yoga sutras de Patanjali. Esta é também apenas uma opinião e portanto também vale o que vale.

Vários autores defendem que o yoga sutra foi escrito há cerca de 2200 anos. O yoga sutra é uma compilação de sutras, da autoria de Patanjali. A palavra sutra pode significar aforismo ou fio (condutor). O sutra é uma frase (ou conjunto de frases) curta, com poucas palavras. Encerra um conhecimento maior do que o elemento literal nos permite à primeira vista perceber. Ao ser curto e conciso é mais fácil memorizar os sutras e transmiti-los às gerações vindouras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *